o desdém de Zaratustra

o pior da humanidadeestá contidoem nós acusadores de Sócratescarcereiros da paznão deixamosdormirMorfeualimentamosSchopenhauercom os versículosque nem Deusentendeu e não há nadade erradonisso se soureflexo da escóriaestou tambémcontidocomocarga viralna coletividade o que rastejatambém habitaa partede cimatodo dia castradoadmirando totensem um gozopatricida a forma desnaturao conteúdoe sua tentativadesesperadade felicidadee bonançaé o que televaa reiterarsuamaisperversacriança

na clínica (flores do mal)

o médico cocainômanocom sua barbaexacerbadagritandoCANALHA o guitarristaque se apaixonoupor alice in chainse tentou se matarcomendopilhaspalito o esquizofrênicoamante de ervaque sabe de cabeçatodas as linhasde ônibusdo Rioe roubasabonetespara comerescondido o famosoatorespaçosoe desequilibradocom seus dilemasde autoimagem o cara que trazdrogasbemescondidonas partesíntimase teofereceno quarto(as drogas e as partes íntimas!) a pequenameninailudidapor um grandeamorplatônicoe porgiletessocráticas e euum poucode todosenadadeninguémvendoContinuar lendo “na clínica (flores do mal)”

gritos através do espelho

o que falar dessepotencialnão desenvolvido desse livro decabeceira quenunca foi lido dessa ambiçãode pack-mancracudo que posaarrogantesabe-tudo o que falar dessevazioinflado de manipularo divãpara se sentirlocupletado afogadona própriatorpezaevacuandoessapérfidanobreza o que falarde vocêdos seusolhares ausentesdo seu medodo evidente o que falarse é melhorcalarfingirbondadee viversuaprofundae complexasuperficialidade

o seu estilo

você acha seu estiloquando dá mais valorao ódio do que ao amorquando franqueiaa entrada dossentimentosinóspitospara viverum dissabor você acha seu estiloquando deixa arderquando tem rituaisdensosquando anarquizao status quodas palavrasquando não ligase a rima é alvaou se a almaé fraca você perde seu estiloquando tenta plagiarbukowskiquando tenta entenderclaricequando temviés de confirmaçãoquando se importa você perde seuContinuar lendo “o seu estilo”