a gênese do caos

no princípio
era o tédio
e o tédio
estava
comigo

de repente
e improviso
um olhar
tergiversado
e um
sorriso

e
além
da
inércia
veio 
a luz
causar
com 
as
trevas
em uma
escala
cinzenta
impiedosa
de
inconstâncias
e aliterações

destruímos
nossos
pequenos
paraísos
de
segurança
pela
esperança
da dor
ter fim
e sermos
adorados
como
os
deuses
sádicos
que
plantam
árvores
e proíbem
o prazer
de seus
frutos

mas
o preço
inconsciente
do pecado
é que
apenas
trocamos
a pele
das
serpentes
que nos
habitam

e na calada
da culpa
busco
iluminação
deste caos
na
saturação
semântica
do
seu
nome

Um comentário em “a gênese do caos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s